sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

APRESENTO-VOS O MEU ANO NOVO


 
Cabelos de sabedoria.

Olhos de bondade e esperança.

Boca de verdade e justiça.

Braços de união e alegria.

Mãos de carinho e solidariedade.

Tronco de amor e felicidade.

Passos persistentes e determinados.

 

Este é o meu ano novo!

 

Jamais haverá Ano Novo se continuarmos a cometer os erros dos anos velhos!

 

Que as realizações alcançadas este ano, sejam apenas sementes plantadas, que serão colhidas com maior sucesso no ano que chega

 

FELIZ 2017!!!

 

DIOGO_MAR

domingo, 25 de dezembro de 2016

DESPOJOS DE NATAL


 
Eis a aurora do dia de natal, os primeiros feixes de luz invadem as casas, deixando a descoberto um oceano de papeis coloridos e um amontoado de caixas vazias.

Travestiram uma noite que nada devia ter de materialismo.

Passaram essa deplorável herança as crianças.

Ignoraram por completo a verdadeira essência do NATAL e a cartilha pela qual esta data se devia nortear:

Solidariedade e partilha.

Isto não é NATAL!

É a loucura do consumismo exacerbado e vorás.

Compra-se como não houvesse amanhã.

Quanto mais dinheiro houver, mais se gasta.

O dia 25 foi eleito passerelle onde se exibem os presentes.

Quem tem mais?

Quem teve melhor?

Quem ofereceu mais?

Este é o retrato mais que fiel, da profunda e grave crise de valores, onde a sociedade está mergulhada.

Urge a necessidade de semear e fazer o verdadeiro NATAL e tudo que nele encerra:

Porque amanhã, pode já não haver NATAL.

 

DIOGO_MAR

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

ANIVERSÁRIO


 
Dobro mais um ano sobre um dos meus dois blogs.

 

PALAVRAS DO MAR

27577

Também estiveste aqui?

OBRIGADO!

Este é o número de visitantes, que até hoje se deixaram embalar pela brisa das palavras, ou desfalecerem no embalo dos braços da bruma da cumplicidade.

 

Hoje completa o seu quinto aniversário.

Com palavras salgadas, outras doces, fruto da inquietude dos dias emoldurados por indefinições e convulsões, que nos deixa apreensivos, vou à soleira do tempo parindo sentimentos que coabitam o livro de mim.

Aquele que é pessoal e intransmissível.

Revolto ou bonançoso vou desferindo golpes de mar, infligindo duras e rudes marcas na orla do teu eu, provocando-te a uma introspeção.

Acorda!

Desfio uma escrita com o meu ADN, recusando-me a escrever para escaparates lamechentos com trago a novela de sequelas infindáveis, de efeitos nefastos, que embriagam a inteligência, engordando alarvemente a boçalidade.

Não vivo da escrita, nem a escrita vive de mim.

Sou um vagabundo que transporta no peito um mar de palavras.

A nossa cumplicidade perde-se na irreverência dos anais da minha história.

Exorcizo as palavras, emprestando-lhes vida e sentimento, para incorporares este oceano de emoções.

 

SIM:

PORQUE O MAR TAMBÉM É TEU

 

Ficam aqui os meus votos de Feliz Natal e um Próspero 2017

 

DIOGO_MAR

 

domingo, 11 de dezembro de 2016

ISTO NÃO É NATAL


 
Eis chegados ao Natal!

Eu disse Natal?

Ups! Desculpem-me.

Não, desenganem-se isto não tem rigorosamente nada a ver com o Natal.

Fizeram abusivamente desta época uma verdadeira montra de consumismo cego e desenfreado.

Não, isto não é Natal!

Compra-se o que se pode e o que não se pode, nada que os cartões de crédito mais as prestações não resolvam, depois logo se vê.

Não, isto não é Natal!

Afogam-se as crianças e os adolescentes num oceano de materialismo, porque lhes foi incutido o facilitismo em realizar os seus caprichos.

Eu quero, eu tenho.

Não, isto não é Natal!

Compra-se não porque se precisa, mas sim porque o vizinho, o colega ou o amigo também tem.

Logo urge a necessidade suprema em fazer ver que também tem igual, ou de preferência melhor.

Falam mais alto os complexos de inferioridade e de afronta.

Não, isto não é Natal!

É chique exibir novas roupas, carteiras e Calçado, quando logo após as festas se pode comprar com 50% de desconto, ou até mais.

Mas a gula da excentricidade, diz que é vital pavonearem-se perante os outros logo no dia de Natal.

Não, isto não é Natal!

Adquirem aparelhos de topo, dotados de tecnologia de ponta, quando nem metade das funcionalidades sabem usufruir.

Não, isto não é Natal!

Basta terem uma folga financeira, para subirem a quota do valor das prendas, porque na troca das mesmas também entra em avaliação o seu custo.

Quem deu mais e melhor?

Grande hipocrisia.

Não, isto não é Natal!

Depois somos inundados por iniciativas de charme, onde todos querem aparecer, meras ações de cosmética de solidariedade hipócrita e bolorenta, que só serve para alguns figurões colherem dividendos, assumindo-se como cabeça de cartaz nas capas de revistas e nos deploráveis programas de televisão onde surgem na passerelle de pseudo-famosos, embrulhados em Natal, com os laços da banalidade, futilidade, de seres inócuos.

Não, isto não é Natal!

Reduziram o Natal a um amontoado de caixas e papeis reluzentes de materialismo podre e vorás.

Deviam-se envergonhar pela triste e deplorável herança que vão passando, embriagando as mentes com o supérfluo, em detrimento dos verdadeiros valores, que devem pontificar sempre, mas com mais afinque nesta quadra Natalícia.

Não, isto não é Natal!

No dia em que descobrires a verdadeira essência do Natal, despojado de materialismo, encarnando no puro e altruísta espirito Natalício, humilde, solidário, simples e humano, vais certamente, viver e fazer Natal.

 

Feliz Natal e um Prospero 2017

 

DIOGO_MAR