quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

HISTÓRIA SEM IDADE História_8



Foi numa daquelas tardes pardacentas, de verdadeiro ócio, que nada nos apetece fazer, que despoletou em mim a vontade de viajar até ao velho sotam.

Tinha espreitado pela janela do meu quarto, e constatei do frio que estava lá fora, de mão dada com um céu toldado de nuvens.

Vesti um fato de treino, de resto é a indumentária que mais gosto de trazer por casa.

Corri a tampa de acesso ao sótão, era como se estivesse a abrir a janela do tempo, onde estão guardados anos de múltiplas vivências.

Mal esta deslisou, as minhas narinas foram inundadas por pó, e um cheiro marcante a mofo.

Depois de uma série de espilros, lá continuei a minha cruzada de remover pó e algumas teias de aranha, que pareciam ter feito uma barreira protetora as minhas recordações.

Ali estava ao canto o meu velho cavalinho de madeira, a quem fiz um poema publicado aqui no blog.

Abria cada caixa como se fosse uma prenda acabada de receber.

Era uma verdadeira incógnita o que lá estaria dentro.

Até o frenesim de abrir as caixas me faziam voltar aos tempos de criança, faminta de saciar a minha curiosidade.

A primeira estava cheia de carros de coleção, alguns já oxidados pelo tempo.

Eles foram os meus campeões em corridas que fazia com os meus amigos.

O meu preferido era um carro vermelho que de tanto uso estava descolorado.

Olhei durante alguns minutos rebobinando o filme da minha memória.

Chi!

Agora, era tão pequeno na minha mão crescida, cheia de mundo.

Filo deslisar no chão do sótão.

Estava lento, tinha perdido o fulgor de outros tempos.

Tirei os para fora da caixa, um a um, como se de um livro se tratasse, e até era mesmo isso, um livro repleto de memórias de tempos longincos mas que eu gostava de reviver, folheando página a página, com uma docilidade ternurenta.

Estava a conquista das minhas origens.

Não tinha reparado que bem lá no fundo estava uma cobra e uma tarântula de borracha que faziam as minhas delícias para assustar as pessoas pelo carnaval.

Ups!

Desta vez quem se assustou fui eu!

Logo eu, que detesto répteis.

Esfreguei os braços, já que tinha ficado com pele de galinha e recoloquei-os onde estavam.

Ainda recordo, o grande susto, que preguei a Miquinhas padeira, quando lhe pendurei, no puxador da porta a cobra.

Brincadeira, que me custou uma bofetada da minha mãe, e um castigo, já que a senhora, sentiu-se mal, chegando mesmo a desmaiar.

Abri a segunda caixa.

Estava cheia de animais, que vinham como brinde, no interior de uma marca de detergente em pó, para lavar roupa.

Bom, tanta bicharada que dava certamente, para fazer um jardim zoológico completo.

Libertei os todos.

Sentado no chão, agora estava rodeado por carros e animais.

Reparei nos cavalos que punha ao serviço dos guardas do castelo, que fazia em lego.

Fui para a terceira caixa, era a maior de todas, tinha vindo lá dentro a máquina de lavar roupa.

Abri as tampas, carregadas de pó, la vieram mais meia dúzia de espilros.

Atchim!

Acho que por este andar vou sair daqui sem nariz.

Soltei uma gargalhada, ao deparar-me com a minha primeira mochila, tinha estampado o Marco.

Personagem de uma boa série, que passava na televisão.

Contemplei-a, parecia estar a venerá-la, assim permaneci durante alguns instantes.

Tinha transportado nela muito daquilo que hoje sei.

Foi o primeiro degrau de uma longa escadaria, de aprendizagem e claro conhecimento.

Apoderou-se de mim uma nostalgia revestida de um misto de alegria e de saudade.

Foi como se o relógio parasse.

Vasculhei toda a caixa, numa verdadeira ânsia de ver as histórias, que ali estavam guardadas.

Fisgas, bolas, pião, cubo mágico, ioiô, berlindes, lego, carros telecomandados e uma velha locomotiva.

Seria ela a máquina do tempo, de uma viagem que eu era o maquinista?

Mas esta panóplia de recordações não se ficava por aqui.

Os meus jogos do micado, o sabichão, o monopólio e a batalha naval.

Eis que surgem as barbatanas os óculos e as boias de levar para a praia.

Dentro da minha velha e gasta mochila, lá encontrei as minhas cadernetas de cromos que folheei lentamente como se estivesse a venerar os meus heróis, de tempos idos.

De repente cai um pequeno papel, olhei-o, fiquei pregado.

Eu não acredito!

Era um dos bilhetes que trocava com a Rita, a minha primeira namorada.

Ó saudade!

No meu estojo, ainda morava um lápis, aguça a borracha e os cromos repetidos, bem como o cartão de estudante.

Sem dar por isso, estava uma tarde muito bem passada.

Dei início a tarefa, de encaixotar cuidadosamente, todos os capítulos, que narram uma história bem presente.

Tinha dado corpo a uma cúmplice aliança, com tempos idos, que fazem parte do meu eu, onde gosto de me perder!

 

 

DIOGO_MAR

2 comentários:

  1. É tão bom viajar desta forma e recordar determinados momentos que nos fizeram felizes

    ResponderEliminar
  2. geralmente quando nos perdemos é que nos achamos.
    muito legal, adorei.

    ResponderEliminar