sábado, 27 de dezembro de 2014

RETRATOS DA MINHA ALDEIA HISTÓRIA_10



Estávamos na última semana de Dezembro.

Já reinava o inverno.

O frio apertava, aquele vento agreste, castigava-nos as mãos e a cara.

Senário perfeitamente normal para a época nesta pequena aldeia do douro vinhateiro.

Fui, até ao largo da minha aldeia, ponto de encontro e convívio de escalões etários totalmente opostos.

Os mais velhos a jogar cartas numa mesa, que eles próprios improvisaram.

Batiam com os nozes dos dedos no tampo em sinal de convicção na jogada, que estavam a fazer.

Dizia o Luís cocho:

Que havia perdido a parte inferior da perna direita num acidente de mota.

 

Eu corto.

Essa é minha!

 

Nem querias mais nada! Retorqui-lhe o Sr. Bernardino, com voz firme.

 

Eu recorto!

Não esperavas esta, pois não?

AhAhAh!

 

Aqueles personagens, com chapéus de aba larga e Os rostos encarquilhados pelas marcas do tempo, são monumentos vivos de sabedoria.

Alguns deles, tinham laços familiares aos meus amigos.

Caso do Sr. João Fonseca, avô do André. Um bom homem.

Jogavam de uma forma tão envolvente, que nem davam pela nossa presença, ou estariam a ignorar-nos!

Por vezes, não havia um relacionamento muito cordial, porque tínhamos alguma dificuldade em os compreender, bem como eles a nós.

Coisas do foço do tempo.

Embora reconheça, que a nossa irreverência por vezes era extravasada por alguns excessos.

Mas no fundo eles gostavam de nós.

Era-mos a sua própria continuidade, embora com diferenças bastante acentuadas, épocas e mentalidades substancialmente diferentes.

O tal modernismo que eles criticavam, e que tinham alguma dificuldade em compreender.

Estávamos a romper com as tradições.

Os nossos cortes de cabelo, mais arrojados e os penteados, com o gel, fazendo por vezes colagens, aos nossos craques da bola, arrancava-lhes sorrisos.

Enquanto sacudiam o pó das cartas, tal como diziam, Uns metros a frente, nós puxamos do bolso os nossos berlindes coloridos e de vários tamanhos, e posemos em prática o afinco no jogo.

Fazia-mos campeonatos, de jogos de berlindes.

Era uma garrafa de coca-cola de litro e dois bolicaos, para o vencedor.

Rapidamente o largo da aldeia, se tornava num local de convívio, entre gerações.

Emprestando-lhe um contraste muito agradável de ver.

Agora as nossas vozes misturavam-se com as dos velhos.

Só na linguagem vernácula, que por vezes se ouvia, era-mos iguais.

Mais adiante, as raparigas também davam largas a brincadeira.

Saltavam a macaca, e jogavam o jogo do lenço.

O nosso grupo, estava reduzido, já que o Daniel tinha ido passar o Natal a aldeia dos avós paternos.

Fiquei eu o Rafa o André e o Rodrigo.

Jogávamos com empenho e total entrega, tanta que até por vezes tinha-mos despiques um pouco acesos.

Eu e o Rafael, colidíamos bastante nos jogos.

O Rafa, tornava-se obcecado pela vitória, tinha mau perder.

Mal sabíamos, que a vida se iria encarregar de nos dar tantas vezes o trago amargo da derrota.

Era uma tarde, como tantas outras, em altura de férias escolares.

A aldeia, adquiria a vida que lhe faltava nos dias em que estava-mos nas aulas.

Ao longe via-se a torre da igreja, com o seu imponente sino.

Tínhamos feito uma venda de rifas, tendo como objetivo, angariar dinheiro para o seu restauro.

Era um verdadeiro talismã da aldeia.

 A estreita e íngreme ruela, que serpenteava o casario aos ombros dos vinhedos, até chegar ao adro da igreja, emprestava à paisagem, um quadro profundamente nostálgico e bucólico, muito nosso.

O Sr. Jorge que tinha uma loja de eletrodomésticos na vila, ofereceu uma televisão para o primeiro prémio.

O Sr. António da mercearia deu um Presunto para o segundo prémio.

E a dona Georgina ofereceu do seu minimercado concorrente direto do Sr. António o terceiro prémio.

Um bacalhau e uma garrafa de azeite, e uma de vinho.

A tarefa até que não correu mal.

Vendemos na escola, aos professores e aos funcionários e na vila, no dia de feira.

Gozamos também, da presença de alguns imigrantes, que vieram cá passar as festas, dando um grande contributo financeiro, para as obras se realizarem.

Agora já as nossas vozes tomavam conta do largo da aldeia, bem como ecoavam levadas pelo vento agreste, que varria aquelas paragens.

Era um belo momento de ócio que todas as idades estavam a disfrutar.

Matar o tempo?

Antes que ele nos mate a nós!

Para não variar, eu e o Rafael, entramos em aceso despique verbal, pelo simples motivo de batota que ele estava a fazer.

Os meus Pais, sempre me ensinaram a saber ser vencedor,

Mas também ser um bom perdedor.

Entre algumas palavras mais ásperas e insinuações, por parte do Rafa, eis que o Rodrigo, toma a minha defesa.

Eu não queria isso, já que sabia que despoletava grande ciúme junto do Rafael.

Ele como mais velho, não tinha problema, em bater ao Ródri, tendo eu que moderar as partes.

Nunca lhe admitia tal atitude.

O Rodrigo, gozava de um estatuto muito especial, era o Irmão que eu não tinha, além de ser afilhado dos meus Pais.

Embora reconhecesse, que todos nutriam por mim uma grande e forte amizade, sentia-me o elemento mais consensual, o elo mais forte.

Vá! Parem lá com isso gritei eu, com voz firme.

 

Esse palhaço arma-se e um destes dias, não vais ter Diogo que te valha.

Vou-te partir essa boca toda.

Disse o Rafa.

 

O Ródri, com os seus 11 anos, carregava uma enorme revolta, pela vivência familiar que herdara.

Só eu o conseguia persuadir, das atitudes intempestivas que por vezes tinha.

Olhei-o fixamente nos olhos e ele soube exatamente o que lhe pedia.

Calou-se, sabendo que dessa forma iria resfriar os ânimos.

 

Quando quiseres alguma coisa, vem ter comigo sozinho.

Acrescentou o Rafa, tentando provocar o Rodri, ganhando um pretexto, para um confronto físico.

 

Então, tive eu que tomar as rédeas do conflito.

Queres parar com isso Rafael?

Tu não tens nada que oferecer porrada ao Rodrigo.

Primeiro és mais velho 3 anos que ele.

Segundo, no dia que puseres a mão no Rodrigo vais ter que te haver comigo.

Eu tento ser justo. Lembra-te que és mais velho, mas eu não te tenho medo.

O André, já cansado daquele diálogo, disse:

 

Parem lá com isso.

Já chega, não acham?

Até parece, que não somos amigos, e que não partilhamos os bons, e maus momentos de todos.

Vá, parem.

 

Foi uma atitude, plena de sensatez e uma grande e incontornável lição.

Afinal somos todos amigos.

Sem dar-mos por isso, já a tarde tinha empalidecido e o sol já pouco ou nada aquecia.

Na torre da igreja, caíam as cinco horas.

Misturavam-se, com o som das badaladas o cantar dos galos e garnisés da Zulmirinha.

Estava na hora, de nos recolhermos.

Ainda tinha que ir dar alimento aos animais.

Galinhas, Coelhos e os perus, que estava ansioso por os ver no forno, porque são maus e já me tinham feito algumas medalhas nos braços e mãos.

Levantei-me e disse-lhes:

Bom, está no ir.

São horas.

Vou lanchar e tratar da bicharada, para quando os meus pais chegarem, estar tudo em ordem, tal como me recomendaram.

Gosto de cumprir com as minhas obrigações.

Hoje ganhaste Rafa. Parabéns.

Mas tem lá calma, ainda faltam jogos!

 

Sim, eu sei Diogo.

Ainda faltam jogos para tu perderes, AHAHAH!

 

Ou não, murmurou o Rodrigo.

 

O Rafael, olhou-o de maneira fulminante. Levantou-lhe a mão, para concretizar os seus intentos.

Mas rapidamente coloquei cobro as intenções dele.

Segurei-lhe o braço com firmeza, e olhos nos olhos disse-lhe:

Ou paras de uma vez por todas com esse teu espirito agressivo.

Ou então deixas de ser meu amigo hoje aqui e agora.

Entendeste Rafa?

Mas entendeste mesmo?

Não vou repetir mais o que te disse.

 

Isto é uma vergonha! Disse o André, que partilhava em muito a minha maneira de pensar e agir.

Além de fisicamente sermos tão parecidos, que diziam sermos irmãos gémeos.

Fazia-mos uma diferença só de duas semanas de idade, estava-mos nos 13 anos.

 

Diogo, Mas ele?

 

Ele, tem nome. Chama-se Rodrigo.

Vive na mesma aldeia que tu, anda na mesma escola que tu, e faz parte do nosso grupo de amigos.

Entendes?

Chau Rafa, fica bem.

Virei costas, sem o cumprimentar.

Foi para o fazer sentir, que estava magoado.

Mas pelo canto do olho, vi a expressão de arrependimento, que tinha no seu olhar.

O Rafa, como qualquer outro do grupo, tinha pavor de perder a minha confiança e naturalmente a minha amizade.

Convidei o André e o Rodrigo a virem lanchar comigo a minha casa.

O André não quis, o Ródri, disse que não queria, mas eu sabia que ele la no fundo estava com vontade de vir.

Bom André, até mais logo.

 

Até, Diogo e Rodrigo, chau.

 

Ródri, vá, anda lá a minha casa lanchar.

Os olhos dele, ficaram ainda mais azuis, e surrio.

 

Poço ir mesmo?

 

Claro que sim, de outra forma não tinha feito o convite.

 

Bom, Bora lá.

 

Dirigimo-nos para minha casa, onde no jardim, já estava o Dique a nossa espera.

Latia e estava com orelhas afitadas, a sua longa cauda agitava-se num movimento frenético, em sinal de satisfação e alegria por me ver de volta.

Ele nutria uma grande empatia pelo Ródri, já que era, uma visita assídua da minha casa.

Aliás, assim como todos do nosso grupo.

Por isso, não tinha qualquer preocupação, com o relacionamento do Dique com os meus amigos.

Ele sabia da nossa amizade e era muito cordial e simpático.

Era um cão bastante corpulento e forte, raçado de Lobo da Alsácia, de olhos azulados, pelo acinzentado com umas orelhas grandes e uma longa cauda, muito bonito e inteligente.

Claro está, que tive de proferir algumas palavras de ordem, para evitar as longas lambedelas e saltos, de alegria por nos ver.

Ele bem que se lembra, das nossas idas até ao rio, com ele para dar uns bons mergulhos no verão.

É um grande e verdadeiro amigo, com quem partilho muitas brincadeiras e com quem falo.

Dique, aí!

Estás a ouvir!

Quieto!

Ele obedecia-me, porque já sabia, que era sempre recompensado por isso.

Lá tinha um biscoito.

O Rodrigo, não passava sem lhe fazer uma festa e claro, em troca lá vai uma lambedela.

Pousava as patas dianteiras por sobre os nossos ombros, como se de um abraço se tratasse.

O meu cão, faz parte da nossa família e porque não dizer, da nossa vida.

Era mais um agregado familiar, lá em casa.

Finalmente já na cozinha, preparamos o nosso lanche.

Ainda haviam vestígios de sobras de iguarias do Natal.

O que claro está, nos agradava imenso.

Depois de termos aconchegado o estômago, fomos tratar dos animais, que já nos chamavam, fazendo lembrar que estava na hora de comerem.

Eu dirigi-me ao galinheiro, enquanto o Ródri, foi tratar dos coelhos.

Depois tinha a tarefa mais complicada, os perus.

Raios de animais parvos e maus.

Tinha de lhes dar comida, sempre prevenido com um pau, na mão esquerda, para qualquer investida.

Lembro uma vez, tive de recorrer a violência e desferi uma paulada certeira na cabeça do peru, que o deixei em nocaute durante uns minutos.

No momento fiquei preocupado, pensei que o tinha morto.

Ia ser tarefa complicada, de dizer aos meus Pais.

Mas se tivesse de ser, lá tinha que assumir as consequências do meu ato.

O que é certo ele não morreu e ainda durou mais uns tempos, até o meu Pai lhe dar o merecido prémio, o forno.

Bom, sempre vos digo que me deu grande prazer espetar-lhe o dente.

Era a minha vez de me vingar, dos ataques que por vezes me infligia.

Depois de termos concluído a tarefa, eis de regresso.

O Rodrigo, começou a olhar incessantemente para o relógio, já que tinha de estar em casa, antes da chegada do Pai.

 

Diogo, desculpa, mas sabes que por mim, ficava aqui mais tempo, ou até para sempre, mas tenho de ir embora, para não haver problemas.

Mesmo assim vamos ver como ele vai chegar.

Estou cansado desta vivência, de discussões e acreções lá em casa.

Um destes dias, se a minha mãe não fizer queixa a polícia, sou eu que o faço.

Aquilo é um monstro, bêbado intratável.

Ele é meu Pai, pena é que o seja só de nome.

Ser Pai, é ser como é o Padrinho.

Tens muita sorte, e mereces ter um Pai assim Diogo.

Digo sorte, porque não somos nós que escolhemos os nossos Pais.

Logo, não devíamos nascer para sofrer desta forma.

Um dia, que seja Pai, vou dar tudo que eu nunca tive aos meus filhos.

Eles não pedem para nascer, logo eu só tenho de dar o meu melhor a eles.

Estou-te a dizer isto ati Diogo, porque és o meu melhor amigo.

Aliás, és um irmão.

Tens feito tudo por mim.

 

Acrescentou já com a voz trémula.

 

Nunca te vais arrepender disso, podes ter a certeza.

 

Rodrigo,, não faço mais que a minha obrigação, de teu amigo que sou.

Sinto-me realizado em dar aos outros, preenche-me o coração.

Fico feliz, ao ver que o meu contributo, minimiza o sofrimento de alguém que é meu amigo.

Selamos aquele momento, com um forte e sentido aperto de mão, como que perpetua-se a nossa já longa e pura amizade.

 

Até a manhã Diogo, e obrigado pela companhia, e pelo lanche.

A, e obrigado por seres meu amigo.

 

Vá, deixa-te lá disso Ródri.

A minha casa, tem as portas abertas para os meus amigos.

Olha, já vais?

Não falta nada?

 

Não!

O quê?

 

Meti a mão ao bolso e tirei a chicla gorila.

Toma.

 

Obrigado Diogo!

Quero que saibas, que a minha amizade por ti, não é interesseira, peço-te, para não me dares nada.

Continuarás a ser o meu Irmão.

Mais uma vez obrigado Diogo.

 

Dirigiu-se para o portão acompanhado pelo dique a quem deu uma bolacha que tinha guardado do lanche.

 

Vá, toma lindo.

 

O Dique retribui-lhe com uma lambedela, agradecendo-lhe o gesto.

 

Tchau Diogo.

 

Tchau Rodri.

O seu paço, era retraído, notava-se a ausência de vontade de ir para casa, pelas razões que bem conhecemos.

Eu, ficava triste, por estar sozinho, Embora os meus Pais, estivessem para chegar, mas acima de tudo, pelo sofrimento do Rodrigo.

Ele não merecia. Aliás, ninguém merece sofrer.

Chegado a esquina da rua, olhava sempre para traz para me dizer adeus acenando com a mão.

Eu retribuía o gesto.

Já era um ritual nosso.

Amanhã por certo, havia-mos de voltar a estar juntos, para mais um dia de brincadeira, e mais uma aula da escola da vida, onde o tempo é o mestre, e nós meros aprendizes.

 

 

DIOGO_MAR

11 comentários:

  1. Aprende-se tanta coisa com as histórias dos outros

    ResponderEliminar
  2. Que neste dia 1º de janeiro você possa dar os primeiros passos para realizar seus sonhos e atingir as metas propostas para este novo ano que está começando, você pode, e mais do que isto, você merece !
    Beijos, feliz 2015.

    ResponderEliminar
  3. Boas festas, ótimo 2015 pra ti! Muitas realizações, alegrias, saúde e inspirações ;))

    Beijoo'o

    ResponderEliminar
  4. r: Muito, muito obrigada pelas palavras!
    Estou inteiramente de acordo. Temos que saber ler nas entrelinhas e retirar as conclusões daquilo que nos acontece, até porque nos serão úteis para o que virá depois. Tem que haver um equilíbrio entre a parte emocional e a racional, mesmo que nem sempre seja fácil.

    Agradeço e retribuo, que 2015 seja um ano fantástico!
    Ora essa, não tem que agradecer. É com o maior gosto que o faço

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  5. Olá Diogo

    A escola da vida deixa-nos lições impossíveis de serem esquecidas.

    Um feliz, própero e saudável ano novo!

    Abraços

    ResponderEliminar
  6. Diogo, agradeço a visita e comentário!
    Desejo que no Ano 2015 todos seus sonhos se realize!
    Muita Paz Amor e Prosperidade!!
    Feliz Ano Novo!!

    ResponderEliminar
  7. Bonito o conto e a amizade .Um bem que quando espontâneoa e verdadeiro dura a vida toda.
    Obrigada da visita espero que 2015 seja de muitas e novas amizades,
    Um grande e Feliz Novo Ano ou Ano Novo ... as duas formas nós queremos com saúde e Paz.
    abraços

    ResponderEliminar
  8. Desfiaste memórias que pareciam não ter fim; vocês os mais jovens, os mais velhos, a vida no largo das aldeias, as amizades formadas a partir da escola...o divertimento, os problemas... Muito interessante.
    Feliz Ano Novo, Diogo!
    xx

    ResponderEliminar
  9. A vida ensina tanto, ou serão as memórias que conservamos dela?...
    Gostei muito, Diogo.

    Votos de um Feliz Ano Novo!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Nossa! Obrigada por lembrar de mim
    Agora fechei os blogs, só estou no face.
    Feliz Ano Novo para você
    Abç
    Dorli

    ResponderEliminar
  11. E assim é a verdadeira amizade... pura... quando se mantêm, mesmo pelos anos fora, sobrevivendo aos desencontros, e contrariedades da vida...
    Belíssimo texto! Parabéns!
    Um abraço
    Ana

    ResponderEliminar